Coração 3 de 5 semanas

27 DEZ 2017
27 de Dezembro de 2017

*Por isso, deixando a mentira, fale cada um a verdade com o seu próximo, porque somos membros uns dos outros. Irai-vos e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira, nem deis lugar ao diabo. Aquele que furtava não furte mais; antes, trabalhe, fazendo com as próprias mãos o que é bom, para que tenha com que acudir ao necessitado. Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, e sim unicamente a que for boa para edificação, conforme a necessidade, e, assim, transmita graça aos que ouvem. E não entristeçais o Espírito de Deus, no qual fostes selados para o dia da redenção. Longe de vós, toda amargura, e cólera, e ira, e gritaria, e blasfêmias, e bem assim toda malícia. Antes, sede uns para com os outros benignos, compassivos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus, em Cristo, vos perdoou.* Efésios 4:25-32

 

O segundo inimigo do coração é a ira. Ficamos com raiva quando não conseguimos o que queremos.

 

Me mostre uma pessoa zangada e vou lhe mostrar uma pessoa ferida. E garanto que ela está ferida pois algo lhe foi roubado. Alguém deve a ela alguma coisa.

 

Todos nós conhecemos alguém cuja raiva poderia ser verbalizada de uma das seguintes formas: “Você estragou a minha reputação”. “Você roubou a minha família”. “Você levou os melhores anos da minha vida”. “Você roubou o meu primeiro casamento”. “Você roubou a minha adolescência”. “Você roubou a minha pureza”. “Você me deve um aumento”. “Você me deve uma oportunidade de tentar”. “Você me deve uma segunda chance”. “Você me deve carinho”.

 

A origem da ira está na sensação de que você foi roubado. Algo lhe é devido. Assim, começou agora uma relação de dívida e devedor.

 

E quanto a você? Que dívida está lhe causando a raiva que sente?

 

Até quando você vai permitir que as pessoas que o feriram controlem a sua vida? Mais um mês? Mais um ano? Mais uma temporada da sua vida? Por quanto tempo?

 

Gostaria de sugerir que hoje seja o dia em que você pare de segurar à dor!

 

Embora seja verdade de que não se pode desfazer o que foi feito, também é verdade que você não precisa deixar o passado controlar o seu futuro. Em Efésios 4, somos instruídos a nos livrar “de toda amargura, indignação e ira”. Fazemos isso “perdoando uns aos outros, assim como Deus os perdoou em Cristo”.

 

O remédio para raiva é o perdão. Se resistirmos à espera de que nos compensem pelos erros cometidos contra nós, somos nós mesmos que vamos acabar pagando o preço. Por outro lado, se cancelarmos as dívidas que nos são devidas, ficaremos livres.

 

Das quatro forças monstruosas que estamos discutindo neste plano de leitura, acredito que essa – a raiva não resolvida causada por um dano intencional ou involuntário – é a mais devastadora. No entanto, de certa forma é a mais fácil de superar. Você simplesmente resolve anular a dívida e declarar: “Você não me deve mais nada”.

 

Siga este procedimento de quatro etapas hoje mesmo: (1) Identifique as pessoas de quem você está com raiva. (2) Determine o que elas lhe devem. (3) Cancele a dívida ao perdoá-los. (4) Não deixe a ira se acumular novamente.

 

Autor: Andy Stanley via YouVersion

Voltar